ATUALIZADO DATA: 27/03/2018 - 10:54 hr. - Fonte G1 Norte e Nordeste- Redação: amigosdecambara

 

Seis pessoas são presas em operação contra fraudes em licitações municipais no norte do PR

 

 

Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público prendeu quatro empresários e um servidor público de Cambará, nesta segunda-feira (26).

 

 

licitação marc 2018.jpg

Seis pessoas foram presas em uma operação de combate a fraudes em licitações municipais deflagrada pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Cambará, no norte do Paraná, na manhã desta segunda-feira (26).

Entre os presos, estão quatro empresários e um servidor público suspeitos de fraudar licitações municipais. A operação também prendeu uma pessoa por porte ilegal de arma de fogo, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão.

A operação foi coordenada pelo Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria), que pertence ao MP-PR.

De acordo com o MP-PR, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em casas e empresas de Cambará e Jacarezinho. No cumprimento desses mandados, uma pessoa foi presa em flagrante por porte ilegal de arma de fogo. A promotoria também apreendeu R$ 500 mil na casa de um dos alvos da operação.

O MP-PR não informou os nomes dos presos.

 

Tentáculos do Norte

A operação, batizada de Tentáculos do Norte, investiga um grupo de empresas suspeitas de fraudar 27 licitações em 12 municípios da região. Ainda não há uma estimativa do valor do prejuízo causado pelo grupo investigado.

"É uma família de empresários de Cambará que possui essas empresas. Esses empresários atuavam em licitações de materiais para construção, como objetos hidráulicos, elétricos e pedras", detalhou a promotora do Gepatria, Kele Cristiani Diogo Bahena.

A investigação, que durou um ano e meio, apurou a formação de um grupo de empresas, todas chefiadas pelas mesmas pessoas, para fraudar os processos licitatórios.

Conforme o Gepatria, as fraudes ocorreram pelo ingresso simultâneo em licitações e uso de empresas em nome de 'laranjas', além da atuação de um grupo em que atuava em dispensas de licitações direcionadas.

A promotora Kele Bahena informou que os suspeitos devem ser denunciados por fraudes em licitações e associação criminosa.

Os mandados foram cumpridos com o apoio de integrantes das promotorias de justiça de Cornélio Procópio, Ribeirão do Pinhal, Uraí, Wenceslau Brás, Jacarezinho e Congonhinhas.